Pular para o conteúdo principal

A importância da agricultura familiar na produção mundial de alimentos

16 de outubro de 2018

Os pequenos produtores rurais fornecem um altíssimo percentual dos alimentos consumidos globalmente. Por isso, ajudá-los com novas práticas agrícolas poderá beneficiar a todos.

Há dez anos, o dia de trabalho de Umakant Singh começa às 6 da manhã. E muitas vezes só termina bem depois do pôr do sol. Os longos dias de verão podem ser brutais no clima subtropical de Uttar Pradesh, no norte da Índia, mas eles representam apenas um dos muitos desafios enfrentados por Umakant ao trabalhar na lavoura que garantirá a alimentação da sua família ao longo do ano. 

Um terço da sua plantação de pimentas pode ser perdida para doenças, e os alagamentos são uma ameaça constante à colheita. Sem conhecer os preços atuais do mercado local, ele ainda corre o risco de vender seus produtos por um preço muito baixo, ou até mesmo ter prejuízo. Todos esses fatores aumentam a dificuldade do seu sustento e a possibilidade de guardar algumas economias para investir no futuro da sua propriedade.

Pequenos produtores rurais como Umakant são a regra, e não a exceção, principalmente nos países em desenvolvimento. Existem hoje em dia mais de 475 milhões de pequenas propriedades rurais no mundo, representando de 70 a 80% das terras cultivadas no planeta. Umakant trabalha em apenas uma das 93 milhões de pequenas fazendas da Índia. E todas essas propriedades representam uma parte essencial do fornecimento global de alimentos. Aproximadamente 80% dos alimentos consumidos nos países em desenvolvimento são produzidos por pequenos agricultores que trabalham em lotes de até dois hectares.

"O maior problema é que não temos acesso à informação. Precisamos de mais conhecimento sobre novas técnicas, novos produtos de proteção das lavouras e sobre os preços praticados no mercado."

– Umakant Singh

As ferramentas utilizadas por eles combinam práticas agrícolas antigas e modernas. Enquanto há décadas a terra é preparada com arados, enxadas e picaretas, tratores e mecanismos de pulverização também já complementam esses métodos tradicionais.

No entanto, sem o suporte de tecnologias mais avançadas, práticas inovadoras e aumento de capacidade, a sobrevivência desses pequenos agricultores e dos que dependem deles continuará fragilizada.

O desafio da agricultura familiar

Pequenos produtores rurais como Umakant estão presos em um ciclo vicioso: a falta de receita, de educação e de recursos os força a administrar suas fazendas com uma fração da sua capacidade em potencial. Isso significa que eles não conseguem fazer os investimentos que seriam necessários para permitir aumentar a produtividade, principalmente porque muitas vezes eles precisam fazer a escolha entre sustentar suas famílias ou investir nas propriedades.

E diante das exigências cada vez maiores dos consumidores, existe ainda uma pressão para que produzam mais e mantenham a qualidade das pimentas que são cultivadas.

"O maior problema é que não temos acesso à informação", comenta Umakant. "Precisamos de mais conhecimento sobre novas técnicas, novos produtos de proteção das lavouras e sobre os preços praticados no mercado. Se não recebermos um bom valor pelos nossos produtos, não conseguimos aumentar nossa produção."

Para que agricultores como Umakant possam alcançar a produtividade que os permitirá investir em seu futuro, precisam ter melhor acesso a:

  • Treinamento (aumento de capacidade): a maioria dos trabalhadores de agricultura familiar dos países em desenvolvimento segue as práticas agrícolas que aprenderam com seus pais e avós. Mas a agricultura evoluiu. Ensinar esses pequenos produtores rurais sobre os métodos mais modernos de proteção e gestão de lavouras, irrigação e nutrição do solo permitirá que eles tenham propriedades mais produtivas. Assim, eles também poderão compartilhar o conhecimento adquirido com outros agricultores em suas comunidades.
  • Recursos: os pequenos agricultores também precisam de acesso a recursos essenciais, que incluem sementes e fertilizantes mais eficazes, soluções mais efetivas para a proteção de lavouras, maquinário agrícola mais moderno, sistemas de irrigação e armazenamento aprimorado de colheitas. Mas isso também significa ter acesso a recursos financeiros como linhas de crédito e seguro contra alagamentos e outras formas de perdas agrícolas.
  • Mercados: até mesmo a propriedade mais produtiva do mundo não terá valor algum se o agricultor não tiver um lugar para vender sua produção. Por isso, o terceiro item que os agricultores precisam acessar são mercados físicos e digitais. Isso inclui elementos como transparência e certificações, bem como formas de colaborar com os demais parceiros da cadeia alimentar. Além disso, os agricultores também precisam entender as exigências da cadeia de valor em termos de qualidade e uso correto e seguro dos produtos de proteção de lavouras e dos fertilizantes que adquirem.

Trabalhando em conjunto para encontrar uma solução

Não existe uma solução única para esses desafios. É por isso que muitas instituições dos setores público e privado em todo o mundo estão se esforçando para melhorar o apoio a agricultores como Umakant.

A Better Life Farming, por exemplo, uma aliança entre International Finance Corporation, Netafim, Swiss Re Corporate Solutions e Bayer, está proporcionando aos agricultores familiares o acesso às mais avançadas práticas e tecnologias agrícolas, como rodízio e proteção de lavouras, sistemas de irrigação aprimorados, além de treinamento, financiamento e seguros. Aproveitando a experiência de cada uma dessas parceiras, a aliança pretende fornecer segurança financeira e ampliar o conhecimento agrícola, transformando a produtividade dessas fazendas e as vidas dos que trabalham nelas.

Outra iniciativa global semelhante é a Food Chain Partnership, que ajuda a melhorar o acesso dos agricultores ao mercado. Nesse caso específico, a Bayer conecta pequenos produtores a comerciantes internacionais, beneficiadores, varejistas e ONGs. A empresa oferece treinamento para que os agricultores possam atender de forma mais eficiente às exigências do mercado. 

Umakant é o exemplo perfeito de como funcionam esses modelos. A Bayer trabalhou com ele para ampliar a produtividade da sua propriedade usando técnicas modernas, como novas tecnologias de aplicação de pesticidas, controle de pragas, ervas daninhas e doenças, plantação em estufas e o sistema de "mulching" (cobertura do solo com lonas enceradas para reter a umidade e impedir o crescimento de ervas daninhas).

"Observamos um aumento de 60 a 70% na produtividade da propriedade", conta Umakant.

E o processo de aprimoramento está longe do fim: "Gosto de aprender sobre as novas tecnologias e saber como elas podem ajudar a aumentar a minha produtividade e a de outros agricultores. Isso significa que poderei dar uma boa educação para as minhas filhas e comprar uma casa e um carro."

Agricultura preparada para o futuro

Iniciativas como as Food Chain Partnerships, a aliança Better Life Farming e o Programa Mundial de Alimentos são fundamentais para ajudar pequenas propriedades rurais a se tornarem mais produtivas, competitivas e resilientes. Esforços desse tipo estão permitindo que agricultores como Umakant transformem suas propriedades em negócios lucrativos.

O impulso no crescimento econômico proporcionará um melhor sustento para esses agricultores e suas famílias, para suas comunidades e para todo o mundo. Fazendas mais produtivas produzem alimentos em maior quantidade e de maior qualidade, geram mais oportunidades de emprego e estabelecem as bases para o desenvolvimento de comunidades rurais.

Recomendados para você

No espaço e debaixo d'água: o futuro da produção de comida

 

Participe da conversa! #PodemosViverMelhor?
Vamos falar sobre os desafios de hoje e as soluções de amanhã

 

Voltar ao topo