Pular para o conteúdo principal

O que diz a ciência sobre os benefícios de nove plantas medicinais?

5 de dezembro de 2018

Plantas medicinais podem ser encontradas em qualquer lugar, mas quais são as comprovações científicas daquelas que realmente funcionam?

Crenças populares atribuem propriedades medicinais importantes a plantas e flores comuns. Mas há motivos pelos quais algumas continuaram. Algumas vezes, esses remédios realmente funcionam e são clinicamente comprovados.

Veja estas nove plantas comuns que você pode encontrar no seu jardim e as comprovações científicas dos benefícios que elas proporcionam para a saúde:

1. Flores de camomila

Uma das plantas medicinais mais amplamente utilizadas e populares há milhares de anos, a camomila é utilizada como um tratamento para tudo, de hematomas a febres. Parente da margarida comum, a camomila é rica em compostos químicos orgânicos conhecidos como terpenóides e flavonóides, que têm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Experiências demonstram que ela também pode ajudar nos incômodos gastrointestinais e melhorar a saúde do coração.

2. Pimenta malagueta

Original do México e ótima para temperar o seu jantar, a pimenta também é eficaz no tratamento da dor e fortalece o sistema imunológico. Esse tipo de pimenta tem altos índices de antioxidantes, que ajudam a neutralizar os radicais livres que provocam danos às células do nosso corpo (se não forem neutralizados, podem causar danos aos nossos tecidos). Além disso, o componente ativo na pimenta malagueta que a torna picante, a capsaicina, pode ajudar a tratar dores musculares e nas articulações.

3. Erva-de-são-joão

Tem esse nome porque floresce no Hemisfério Norte normalmente em torno da data da festa de São João, no final de junho. Foi incluída na medicina tradicional na Grécia antiga. Conhecida pelos seus efeitos calmantes, contém duas substâncias ativas, a hipericina e a hiperforina, que são antidepressivos e podem ajudar a reduzir a ansiedade. A hiperforina também é antibacteriana, o que pode ajudar a reduzir inflamações.

4. Gengibre

Há séculos, o gengibre é recomendado como um remédio contra a náusea, principalmente para quem tem enjoos relacionados à gravidez. E existem evidências científicas por trás disso: o gengibre não só tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, mas também contém uma substância conhecida como o gingerol, que ajuda a evitar o vômito.

5. Sálvia

Um ingrediente clássico em muitos pratos tradicionais, a sálvia também tem uma longa história como planta medicinal. O chá de sálvia era um tratamento tão popular para dores de garganta e de estômago que se espalhou pelo Mediterrâneo, chegando até a China. Integrante da família da menta, a sálvia é rica em óleos essenciais e glicosídeos flavonóides, que não só têm propriedades anti-inflamatórias e antibacterianas, como também podem reduzir os níveis de glicose.

6. Sementes de alcarávia

As sementes de alcarávia são utilizadas em diversos pratos ao redor do mundo, como guisados, pães e sobremesas, e devemos agradecer tudo isso à Finlândia: o país produz 28% das exportações de alcarávia do mundo. As sementes de alcarávia contêm óleos essenciais e flavonóides que podem facilitar a digestão de alimentos gordurosos e têm um efeito antiespasmódico, reduzindo gases, cólicas abdominais e inchaço. A alcarávia também tem efeitos antimicrobianos, inibindo assim o crescimento de bactérias prejudiciais.

7. Cardo mariano

Famosa por ser a flor nacional da Escócia, esta planta espinhosa já se espalhou pelo mundo todo. Contém o composto silimarina, que protege as células de danos, e pode ajudar a tratar problemas do fígado e do estômago, como cólicas e espasmos. Os compostos do cardo mariano podem ter um efeito relaxante nos músculos gastrointestinais e ajudar a melhorar a digestão.

8. Urtiga

A urtiga normalmente está associada à dor causada pelo toque em uma variedade que causa ardência, mas a planta também é utilizada há séculos como uma planta medicinal. A urtiga é um diurético natural, que auxilia na saúde gástrica e pode ajudar a controlar a pressão alta. A planta também tem propriedades nefríticas, ou seja, pode ajudar a dissolver pedras nos rins e na vesícula.

9. Folhas de hortelã-pimenta

A hortelã-pimenta é utilizada como remédio para a indigestão e para aliviar cólicas desde o Egito antigo. Folhas de hortelã-pimenta secas foram encontradas até nas pirâmides egípcias. A planta também é rica em óleos essenciais (principalmente mentol e mentona) que não apenas ajudam comprovadamente em problemas digestivos, como síndrome do intestino irritável, mas também são eficazes no tratamento de dores de cabeça.

Apesar dos efeitos benéficos desses tratamentos tradicionais, você deve ter em mente que, como qualquer medicamento, os ingredientes ativos dentro deles podem interagir com outras medicações e causar efeitos colaterais desagradáveis. Você também sempre deve ler rótulos cuidadosamente e consultar um médico caso esteja inseguro em relação a qualquer medicamento.

L.BR.COM.10.2018.10764

Recomendados para você

Por que as doenças cardíacas são mais associadas aos homens?

 

Participe da conversa! #PodemosViverMelhor?
Vamos falar sobre os desafios de hoje e as soluções de amanhã

 
Voltar ao topo