Pular para o conteúdo principal

De olho no futuro: a saúde de uma população em envelhecimento

25 de maio de 2018

O envelhecimento populacional desafia sistemas de saúde de todo o mundo. Juntas, antigas técnicas e novas tecnologias oferecem meios de lidar com esse cenário.

Graças aos avanços científicos, nunca houve tanta gente com mais de 60 anos como atualmente. Mais de 900 milhões1 de pessoas, ou 12% dos habitantes da Terra, estão desfrutando da melhor idade. Com uma expectativa de vida cada vez mais alta e taxas de fertilidade mais baixas, até 2050 teremos 2,1 bilhões de pessoas com mais de 60 anos2, representando quase 22% da população mundial.

O aumento na expectativa de vida também significa que a população mundial de idosos com mais de 80 anos, a chamada quarta idade, mais do que triplicará até 2050, chegando a quase 450 milhões de pessoas3. Em alguns países asiáticos e latino-americanos, o número de pessoas nessa faixa etária pode aumentar em até quatro vezes durante esse período4.

O novo desafio do século 21

A explosão populacional de idosos é uma comprovação dos incríveis avanços5 científicos e tecnológicos nos últimos 100 anos. Vacinas, antibióticos e melhorias na higiene ajudaram a manter várias doenças infecciosas sob controle. Além disso, condições mais seguras em casa e no trabalho também contribuem para aumentar a longevidade das pessoas, enquanto novas tecnologias agrícolas e um maior entendimento da nutrição humana nos proporcionam uma alimentação melhor do que tiveram nossos ancestrais.

No entanto, o aumento da expectativa de vida possibilitada por essas melhorias também está criando novos desafios para a ciência. Enquanto os avanços do século 20 tiveram um efeito maior sobre doenças infecciosas6, os avanços do século 21 deverão abordar problemas associados às doenças crônicas cada vez mais prevalentes entre idosos.

Estudos realizados nos Estados Unidos mostram que cerca de 80% das pessoas com mais de 65 anos têm pelo menos uma doença crônica, enquanto 68% têm duas ou mais. Entre as mais comuns estão doenças cardíacas, pulmonares, derrame, câncer e diabetes7.

As tendências atuais observadas especialmente em relação a diabetes e a hipertensão, ilustram o aumento no problema enfrentado. Em todo o mundo, o número de pessoas com diabetes passou de 108 milhões em 19808 para 425 milhões nos dias de hoje9. Especialistas preveem que, em 2050, 1 em cada 3 adultos10 poderá ser diabético. O número de pessoas sofrendo de hipertensão, um dos principais fatores de risco para problemas cardíacos e derrame, praticamente triplicou desde 1980 chegando a quase um bilhão de pessoas11. Nos EUA, previsões indicam que 41%12 da população adulta terá pressão alta em 2030.

Até 2050, quase 450 milhões de pessoas terão pelo menos 80 anos de idade

O impacto não percebido das doenças crônicas

Enquanto doenças crônicas como diabetes e hipertensão aumentam a probabilidade de morte em idosos, muitas pessoas não percebem o efeito que essas doenças cada vez mais comuns também têm sobre a qualidade de vida desse grupo. Por exemplo, tanto diabetes mellitus, quanto Hipertensão Arterial Sistêmica podem significativamente impactar a visão de um idoso.

A retinopatia diabética, doença que ocorre quando altos níveis de açúcar no sangue causam danos aos vasos sanguíneos na retina, afeta uma em cada13 três pessoas com diabetes, e um em cada 10 diabéticos14 desenvolvem uma forma da doença que ameaça a visão.

 

Outra causa comum de cegueira entre idosos, a degeneração macular relacionada à idade (DMRI) destrói lentamente a visão central de uma pessoa, o tipo de visão necessária para realizar tarefas como ler e dirigir. As causas da degeneração macular relacionadas a idade são complexas, mas também estão ligadas à diabetes e à hipertensão.

Preservação da saúde para um envelhecimento feliz

Evitar ou controlar os tipos de doenças crônicas que afligem a população idosa é fundamental para preservar a qualidade de vida dessas pessoas. No caso dos problemas de visão, a OMS estima que 80% de todas as deficiências visuais15 possam ser evitadas ou curadas, e grande parte da prevenção envolve gerenciar adequadamente doenças como diabetes e hipertensão com uma combinação de dieta, exercícios físicos e medicamentos disponíveis atualmente.

No entanto, avanços e novos tipos de produtos farmacêuticos estão demonstrando ser mais eficazes no gerenciamento e até mesmo na eliminação de algumas das doenças crônicas mais comuns associadas ao envelhecimento, e inovações na fabricação desses produtos têm tornado possível a disponibilização de tratamentos eficazes.

Por exemplo, pesquisadores já estão explorando técnicas de sequenciamento genético para combater o diabetes. Entretanto, a terapia genética não é usada diretamente no diabetes. Atualmente, esse tipo de tratamento é usado na bactéria que cria naturalmente a acarbose, substância usada em medicamentos que os diabéticos utilizam para regular o nível de açúcar no sangue. Ao alterar os genes da bactéria para torná-los produtores mais eficientes da acarbose, os cientistas podem ajudar a satisfazer a demanda cada vez maior por medicamentos de combate ao diabetes16.

As opções de ajuda para os idosos vão além de comprimidos ou injeções. No Japão, onde mais de 25%17 da população já tem mais de 65 anos, robôs especializados chamados CareBots estão sendo usados com mais frequência para auxiliar idosos nas mais diversas tarefas, como apagar as luzes ou deslocar-se da cama para a cadeira de rodas. Para ajudar o crescente número de idosos com problemas visuais, os CareBots também leem códigos de barra em rótulos de remédios, ajudando a garantir que a perda da visão não impeça os idosos de tomar seus medicamentos corretamente.

80 é o novo 60

Robôs e medicamentos são apenas duas das diversas inovações que ajudarão a enfrentar os desafios associados ao envelhecimento populacional. À medida em que novos avanços destinados à melhoria da saúde dos idosos se tornem disponíveis, é possível que no futuro, em decorrência de expressivos ganhos na expectativa de vida, as pessoas tenham que estar muito acima dos 80 anos para integrar o grupo da quarta idade.

Como disse uma vez o comediante George Burns: "Você não pode impedir a velhice, mas não precisa ficar velho".

L.BR.COM.07.2018.10571

Notas

  1. World Population Prospects The 2015 Revision, United Nations, https://esa.un.org/unpd/wpp/publications/files/key_findings_wpp_2015.pdf
  2. World Population Prospects The 2015 Revision, United Nations, https://esa.un.org/unpd/wpp/publications/files/key_findings_wpp_2015.pdf
  3. He, W. et al. An Aging World: 2015, U.S. Census Bureau, https://www.census.gov/content/dam/Census/library/publications/2016/dem…
  4. He, W. et al. An Aging World: 2015, U.S. Census Bureau, https://www.census.gov/content/dam/Census/library/publications/2016/dem…
  5. Who wants to live forever?, Royal Geographical Society, http://www.rgs.org/OurWork/Schools/Teaching+resources/Key+Stage+3+resou…
  6. De Flora, S. et al. The epidemiological revolution of the 20th century, University of Genoa, https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15923399
  7. Chronic Disease Management, National Council on Aging, https://www.ncoa.org/healthy-aging/chronic-disease/
  8. Diabetes Fact Sheet, World Health Organization, http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs312/en/
  9. http://www.diabetesatlas.org/key-messages.html
  10. Number of Americans with Diabetes Projected to Double or Triple by 2050, U.S. Centers for Disease Control and Prevention, https://www.cdc.gov/media/pressrel/2010/r101022.html
  11. Global Health Observatory data – Raised Blood Pressure, World Health Organization, http://www.who.int/gho/ncd/risk_factors/blood_pressure_prevalence_text/…
  12. Heart Disease and Stroke Statistics 2017 At-a-Glance, American Heart Association, https://healthmetrics.heart.org/wp-content/uploads/2017/06/Heart-Diseas…
  13. Lee, R. Et al., Epidemiology of diabetic retinopathy, diabetic macular edema and related vision loss, Singapore Eye Research Institute, https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4657234/
  14. Diabetic Retinopathy, The International Agency for the Prevention of Blindness, https://www.iapb.org/knowledge/what-is-avoidable-blindness/diabetic-ret…
  15. Vision impairment and blindness Fact Sheet, World Health Organization, http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs282/en/
  16. https://www.research.bayer.com/en/treating-diabetes-with-acarbose.aspx
  17. World Population Prospects, United Nations, https://esa.un.org/unpd/wpp/DataQuery/
Recommended for you

Nosso lar é o nosso castelo. Exceto quando se é alérgico a ele.

 

Participe da conversa! #PodemosViverMelhor?
Vamos falar sobre os desafios de hoje e as soluções de amanhã

 
Voltar ao topo